2005-12-27

irreversible

Ontem por fim surgiu a oportunidade de ver uma longa-metragem perturbante e brutal. Filme nada natalício, "Irreversible" é uma produção francesa onde se explora ao extremo as emoções violentas e vingadoras, da dor, do amor e da insanidade humanas. Surpreendeu, mesmo com expectativas positivas à partida. Mas foi muito duro de ver, à violência física junta-se a violência psicológica tanto ou mais perturbante - afinal de contas, um breve retrato da nossa condição humana. É daqueles filmes que nos sufoca ao mesmo tempo que não nos deixará nunca indiferentes, intenso e inteligente, que ou se ama ou se odeia - tal como "Breaking the Waves/Ondas de Paixão" de Lars von Trier, "Crash" de David Cronenberg e outro "Crash" de Paul Haggis.
Com um começo estonteante, num nível de violência inseperada, caminha - embora já visto em filmes anteriores - para trás no tempo, no qual nós espectadores vamos compreendendo melhor a narrativa, conhecendo a densidade e a evolução das personagens (inteligente como "Memento"), acabando num oposto de paz e de esperança que o fim - ou seja, o ínicio do filme - em nada deixa antever, e tão pouco nos deixa mais confortáveis. A condução narrativa da película faz perfeita justiça ao título, irreversível é o curso dos acontecimentos, seja na ficção, seja afinal na nossa realidade. Não existe o retorno onde possamos evitar o mal que nos surge. É também bastante inteligente a dimensão da fúria e da violência, que é de um paradoxo abissal - tão psicologicamente inexplicável numas situações, como aceitável noutras. Até onde poderemos ir quando perdemos a cabeça? Até quando conseguimos aguentar a dor que nos sufoca? No primitivismo básico da violência que reside em cada um de nós, haverá alguma vez esperança que o mal deixe de habitar a sociedade?


Na sinopse:

Parce que certains actes sont irreparables. Parce que l'homme est un animal. Parce que le desir de vengeance est une pulsion naturelle. Parce que la plupart de crimes restent impunis. Parce que la perte de l'étre aime detruit comme la foudre. Parce que que l'amour este source de vie. Parce que que toute histoire s'ecrit avec du sperme et du sang. Parce que que les premonitions ne changent pas le cours des choses. Parce que que le temps revele tout, le pire et le meilleur.

Produção francesa de 2002, galardoado em realização e história de Gaspar Noé
Com Monica Belluci, Vincent Cassel, Albert Dupontel nos principais papeis

Comunicação gráfica do filme está igualmente muito bem conseguido.

6 comments:

  1. Já o vi à algum tempo - vi-o no King ou no Monumental, (não me recordo!) - em cinema é fortíssimo e o trabalho de realização é de babar...

    Já que referis-t filmes q simplesmente não nos conseguem deixar indiferentes, lembrei-m d 'Brown Bunny' de Vicent Gallo tb arrebatador e sufocante até ao final...

    Bom Ano Novo!

    T

    ReplyDelete
  2. Dá-nos a volta á cabeça e ao estomago é genial tanto na fotografia como na montagem,directo e brutal.
    devia ser proibida a sua divulgação?
    devo lembrar que pasou na rtp 1 tarde na noite mas de acesso livre!

    ReplyDelete
  3. Thank you!
    [url=http://wpcclwnh.com/opmv/ecch.html]My homepage[/url] | [url=http://wlbbsqir.com/viad/dwpw.html]Cool site[/url]

    ReplyDelete
  4. Thank you!
    [url=http://wpcclwnh.com/opmv/ecch.html]My homepage[/url] | [url=http://wlbbsqir.com/viad/dwpw.html]Cool site[/url]

    ReplyDelete
  5. Nice site!
    http://wpcclwnh.com/opmv/ecch.html | http://shysfwky.com/myea/zxtx.html

    ReplyDelete